>

Keblinger

Keblinger

Quando rezamos o Pai Nosso…

| 30 junho 2011
Certa altura, uma jovem em conversa com a sua mãe sobre acontecimentos turbulentos nas suas amizades, disse o seguinte: “Mãe, quando rezo o Pai-Nosso minto porque digo «perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido» quando na verdade não perdoo, fico sim magoada e rancorosa com as pessoas que me ofendem”.
Perante tal comentário, a mãe daquela jovem ficou pensativa e nada soube responder naquele momento. De certo identificou-se ela mesma com a reflexão da sua filha pois, pensemos também: quantas vezes pedimos perdão e invocamos que perdoamos quando, na verdade, guardamos mágoas e rancores a quem nos ofendeu?
Estamos habituados a rezar a oração que o Pai nos ensinou e a ensiná-la a nossos filhos mas não são apenas palavras que temos de decorar e recitar, são afirmações que fazemos perante Deus e que merecem o nosso cuidado e atenção. É importante sabermos aquilo que dizemos a Deus e a veracidade das nossas palavras, por isso, além de uma mera oração à qual nos habituamos trata-se de um ensinamento que devemos viver na nossa vida quotidiana para que quando a aclamamos seja verdadeira e traduza fielmente o nosso esforço em perdoar o próximo sabendo que podemos contar com o perdão de Deus.

Mc 11, 20-26: “Ao passarem na manhã seguinte, viram a figueira seca até às raízes. Pedro, recordando-se, disse a Jesus: «Olha, Mestre, a figueira que amaldiçoaste secou!». Jesus disse-lhes: «Tende fé em Deus. Em verdade vos digo, se alguém disser a este monte: ‘Tira-te daí e lança-te ao mar’, e não vacilar em seu coração, mas acreditar que o que diz se vai realizar, assim acontecerá. Por isso, vos digo: tudo quanto pedirdes na oração crede que já o recebestes e haveis de obtê-lo. Quando vos levantais para orar, se tiverdes alguma coisa contra alguém, perdoai-lhe primeiro, para que o vosso Pai que está no céu vos perdoe também as vossas ofensas. Porque, se não perdoardes, também o vosso Pai que está no céu não perdoará as vossas ofensas.”
Madalena Nascimento






0 comentários:

Enviar um comentário

 

Copyright © 2011 - 2018 Catequese de Rendufinho